13 benefícios da cerveja para a saúde

Uma das coisas que combinam com o verão, ao menos para muitas pessoas, é a cerveja. Seja na praia, no bar, em um clube, ou qualquer outro lugar que permita beber uma gelada tranquilamente, a cerveja é uma marca registrada do brasileiro. Não é por acaso que a maior parte das cervejas brasileiras são bem vistas lá fora. Agora, você sabe os benefícios da cerveja?

Ela não serve apenas para refrescar no calor e tornar alguns hábitos sociais mais fáceis. Consumida com bastante moderação, a cerveja possui uma série de benefícios interessantes para a saúde. E hoje em dia, com uma grande variedade delas graças a popularidade das opções artesanais, esses benefícios aumentam bastante.

Vamos conhecê-los em detalhes, focando um pouco mais nos modelos populares, e destacando quando forem relacionados a outros tipos de bebidas. Isso aí, o vinho já não é a mais a única bebida que traz benefícios para a saúde.

1 – Cerveja lhe deixa mais inteligente

Essa pode parecer um exagero, mas não é. Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, em 2012, afirmou que quem bebe cerveja de maneira moderada tem um raciocínio mais rápido, e um pensamento criativo mais amplo. A pesquisa foi feita através de resoluções de jogos e problemas complexos, os quais um grupo foi feito com o consumo de álcool, e outro sem.

A bebida em questão foi a tulipa, mas você não precisa se resumir a ela. Para quem tem dúvidas quanto a veracidade da pesquisa, autores como Ernest Hemingway, Charles Bukowski e até William Shakespeare eram consumidores da bebida dourada em seus momentos de escrita. Seria ela um dos motivos para o brilhantismo desses autores? Não sabemos, de verdade, mas é um referencial quando você colocar suas capacidades de conhecimento a prova.

Mas fica aqui um aviso, certo? A cerveja consumida moderadamente ajuda a despertar suas habilidades criativas e colocar à prova todo seu poder de improvisar e fazer bonito. Mas tente não fazer o mesmo com habilidades mais analíticas: a mesma pesquisa mostrou que o grupo testado não foi tão bem ao solucionar problemas matemáticos e mais analíticos. Nada de levar a cerveja para o seu escritório, certo?

2 – Protege contra os efeitos do Alzheimer

Também relacionado às atividades cerebrais, já tem mais de 10 anos que foi descoberto o potencial da cerveja para reduzir as chances de Alzheimer. A primeira pesquisa foi feita na Universidade de Alcala, na Espanha, em 2007. Segundo a pesquisa, um dos fatores de risco para o surgimento da doença neurológica é a presença acima da média de alumínio no corpo.

Ao consumir duas doses de cerveja ao longo do dia, você previne que o cérebro sofra dos efeitos do alumínio, graças a quantidade de silício presente na bebida. Nada mal para quem gosta de beber ao longo do dia, não é verdade? Mas não para por aí.

Uma outra pesquisa, feita na Finlândia em 2016, mostrou que a cevada, de alguma forma, interfere na presença das proteínas beta-amilóides, uma das responsáveis pela quebra de comunicação entre os neurônios que levam ao Alzheimer. Essa ainda não tem dados mais conclusivos quanto ao porquê dessa relação, mas pelos dados levantados, de homens que bebiam mais ou não bebiam analisados na pesquisa, esse dado foi comprovado.

Mas fica o alerta: nada de exagerar na bebida. Da mesma forma que a cerveja pode proteger o nosso cérebro ao longo dos anos, seu consumo em excesso pode afetar os reflexos, a coordenação motora ou mesmo levar a perda de memória recente, aquele infame lapso que você possui depois de beber demais. Não exagere na dose.

3 – Não dá barriga, ao contrário da “lenda”

É um fato: muitas pessoas que você deve ter conhecido ao longo da vida que bebiam uma boa quantidade de cerveja estavam acompanhados de uma gordura abdominal em grande excesso. Não é incomum associar ambos, mas isso se trata apenas de um mito e de uma imagem malfadada que foi atribuída a cerveja.

Se você for um bom consumidor tanto dela como dos seus petiscos, que são os verdadeiros responsáveis pela barriga saliente, você consegue aproveitar os benefícios da bebida dourada com muito mais facilidade.

De fato, a cerveja é uma das bebidas que menos causa ganho de peso por conta de dois fatores: o primeiro é que ela apresenta um dos menores teores calóricos entre as opções calóricas – cerca de 200 cal em cada latinha -, como consegue ser ainda mais branda nesse sentido do que o suco de laranja, por exemplo.

O outro fator é sua característica diurética. A cerveja, devido ao seu processo de fermentação, ajuda a trabalhar o metabolismo, principalmente quando consumida gelada no calor. Por estimular a micção e o suor, você libera as impurezas com mais facilidade. Bom, não é? Para tornar a experiência melhor, uma boa dica é consumir cervejas de estilos como Ale ou Pale Ale, que trazem alguns outros ingredientes que potencializam esses benefícios.

E aqui vem o lado moderado. Para que o consumo seja bem aproveitado, sobretudo nesse aspecto saudável, consuma seus aperitivos e petiscos antes da gelada chegar. Com o fígado trabalhando para evitar o acúmulo de nutrientes nocivos, vai ficar mais difícil para ele segurar a gordura, e você acabar com aquela pancinha proeminente. Ou você pode substituir aquele torresmo ou calabresa por algo mais tranquilo, funciona também.

4 – A cerveja pode combater o diabetes

Sim, o uso excessivo de fermentados, como a cachaça e o licor, pode levá-lo a desenvolver diabetes do tipo 2. A cerveja com seus teores alcoólicos mais altos também está propensa a isso, mas se consumida de um jeito tranquilo, ele não só evita essas questões, como também pode combater a diabetes.

Uma outra pesquisa espanhola, essa feita pela Universidade de Barcelona, a quantidade de ácido fólico presente na cerveja, além de alguns outros nutrientes, ajuda na prevenção de uma série de doenças cardiovasculares, entre elas a própria diabetes.

Na Dinamarca, um outro estudo mostrou que tais efeitos são mais possíveis quando a cerveja é bebida de forma mais moderada ao longo do dia, em porções pequenas, ao contrário do consumido “de uma vez” comum por aqui. Com o consumo mais reduzido, os riscos de diabetes se tornam menores ao longo da vida.

Mas como fazer isso por aqui? Cervejas, mesmo as de rótulos artesanais, são vendidas de forma que o consumo deva ser de uma vez, no máximo dividido com outras pessoas. O segredo, caso queira consumir em três ou mesmo quatro porções ao longo do dia ou da semana, é simples: chopp. Dá para pedir em um copo menor, e beber bem aos poucos. Para o happy hour, são dois benefícios da cerveja para a saúde em um.

5 – Pode hidratar da mesma forma que água

Só para constar: água é e sempre será a melhor fonte de hidratação, certo? Um não substitui o outro. Mas se você busca mais sabor e um pouco de variedade que a água não traz, aí sim, pode adicionar a cerveja como uma alternativa ao seu dia a dia. Ainda mais no verão e épocas quentes de forma geral. E você pode fazer isso inclusive depois daquele futebol!

Não é raro encontrar amigos que sejam entusiastas da cevada depois de umas partidas longas, seja no meio da semana ou naquele domingo perto do almoço antes do sol estar a pino. E eles não estão errados. Uma pesquisa feita na Universidade de Granada concluiu que a cerveja, consumida de forma moderada, não afeta a hidratação do organismo, funcionando como um complemento a água.

E isso vale não apenas para o futebol, mas para qualquer atividade física intensa, da natação ao crossfit. Para completar esse recurso tão interessante da cerveja, o consumo moderado e certeiro da cerveja ajuda a evitar uma série de problemas cardiovasculares que podem acontecer devido ao excesso nos músculos e na corrente sanguínea.

Agora viu vantagem, não é? Mas para fazer valer, a velha dica continua firme e forte. O consumo moderado se mantém aqui. Se acha que se segurar em apenas uma latinha não vai satisfazer sua necessidade, aquele chopp que comentamos antes pode ser uma boa alternativa.

Uma outra sugestão, para levar esses cuidados ainda mais a sério sem exagerar na cerveja, é buscar aquelas opções com um teor alcoólico menor. As Pilsen e as Lager, mais populares entre o público, possuem um teor um pouco acima da média recomendada para esses casos. Aqui, o ideal é trazer opções como as Ale, mais leves e que permitem um consumo um pouco maior. Teste as possibilidades.

6 – Equilibra as ações dos rins

Lembra que falamos da ação diurética da gelada? Pois então, um dos benefícios da cerveja é justamente garantir um funcionamento melhor do mesmo, inclusive evitando problemas como o cálculo nos rins e o cálculo biliar. Quem descobriu essa possibilidade interessante, foi a Mayo Clinic, dos Estados Unidos.

A possibilidade oferecida pela cerveja, em ambos os casos, se deve a presença de água em suas versões mais populares – as cervejas consideradas artesanais levam uma quantidade muito pequena, isso quando não possuem nenhuma gota de água. Enfim, o fato é que a água presente nas cervejas Lager estimula a produção de urina, o que expele as toxinas do corpo e faz o corpo se movimentar melhor.

Duas latinhas por dia é o ideal nesses casos. Se consumir em excesso, o efeito é totalmente o oposto, e isso começa lá no fígado, como já mencionamos. O corpo não consegue filtrar bem o excesso de glicose, e com isso os detritos se acumulam nos rins. Não deixe isso acontecer com você, meu amigo.

7 – Reforça o Coração

“Por que a cerveja causa infartos”? Não causa. Como falamos antes, o que se associa a imagem da cerveja com essas questões são as comidas gordurosas que a acompanha. Se você for resistente a essas tentações, um dos benefícios da cerveja será justamente a manutenção do sistema cardíaco, prevenindo o acúmulo de gordura em suas artérias, e reduzindo os riscos de infarto.

O ácido fólico já mencionado por aqui, além de algumas vitaminas e ferro, colocam a cerveja como uma grande aliada no controle do coração. Segundo uma pesquisa feita na Grécia, as chances de sofrer um derrame ou um infarto reduzem em 35% e 40%, respectivamente.

Outro excelente benefício da cerveja, também relacionado a saúde cardiovascular, é o estímulo a produção de “colesterol bom”. Ou em bons termos clínicos. os níveis de HDL, que ajudam o sangue a fluir melhor e levar os nutrientes onde são necessários.

A moderação pode ser um pouco maior aqui: 500 ml por dia podem garantir essa função de agente protetor do coração. O ideal é porcionar ao longo do dia, tanto para garantir os efeitos, como aprecia-la melhor. É a melhor motivação.

8 – Diminui os riscos de câncer

Ah vá, sério mesmo? Isso aí! Se você viu que os benefícios da cerveja para a saúde evitam as chances de Alzheimer e trabalha uma série de questões de manutenção da mesma, não é de espantar que ela também consiga afastar os riscos de câncer. E por uma série de pontos que já vimos aqui:

  • Incentiva a limpeza de impurezas do organismo;
  • Melhora a produção de gordura positiva no organismo;
  • Pode hidratar da mesma forma que a água;
  • Deixa-o mais criativo.

Isso tudo feito com moderação. Mas como ela de fato evita as chances de câncer? As ações antioxidantes mencionadas nos benefícios acima possuem outro contribuinte muito interessante, o Humol. Dentro da comunidade científica, ele é muito conhecido e referenciado por ser um anticancerígeno ativo, e está presente no lúpulo, um dos ingredientes da cerveja.

A pesquisa que constatou essa descoberta incrível veio da Universidade de Idaho, nos Estados Unidos. Segundo ela, tanto o humol como a lúpulona conseguem eliminar os agentes cancerígenos agarrados a células ou mesmo aos ossos, como é o caso da Leucemia.

Existem diversos casos de pacientes que citam a cerveja como um dos fatores que potencializaram a cura do câncer. Mas não vá achando que cerveja é remédio, bebendo sem controle. Lembre-se que esses efeitos devem ser feito com moderação.

9 – Ajuda a combater os efeitos da insônia

 

Aqui os efeitos são bem parecidos com os do vinho. Mas vamos focar na cerveja, pois é dela que vamos extrair uma das vitaminas mais importantes no combate à insônia, a B6. Como parte do complexo B, ela é cheia de nutrientes muito importantes para o corpo como um todo, mas esta em específico pode ajudar aqueles que possuem seus problemas para dormir.

E se por acaso não for um fã de cervejas, pode aproveitar só um de seus elementos, que inclusive é vendido separadamente em farmácias e drogarias, a levedura de cerveja. A razão para tal está no lúpulo, que possui propriedades relaxantes, como a vitamina B6, para o sistema nervoso, um dos responsáveis por esse relaxamento do organismo.

Para aproveitar adequadamente esses efeitos sonolentos da cerveja, além da moderação, é claro, é consumir com um horário marcado. Quero dizer, se você beber cerveja muito tarde e tentar dormir logo em seguida certamente vai acabar sofrendo dos efeitos da insônia, e a infame ressaca no dia seguinte, já que o organismo não vai absorver os efeitos positivos com tanta facilidade.

O recomendável é que você beba a cerveja com esse intuito ao menos umas três ou quatro horas antes de dormir. Os demais efeitos positivos dela vão ajudá-lo a ficar com a saúde em dia, e de quebra ter uma boa noite de sono.

Ah, mas aqui vai uma dica importante. Se você bebe vários tipos de cerveja, não recomendamos as variações escuras, como a Stout e a Porter, para esse fim. Além do alto teor alcóolico, sua produção é feita mais para deixar “ligadão” do que incentivar o sono.

10 – Fortalece os ossos

Esse é um bom reforço para quem já sofre de problemas com a saúde óssea. Beber cerveja na quantidade adequada ajuda a proteger os ossos da perda de silício e cálcio. Embora a cerveja por si só não tenha uma quantidade deste último elemento, ela é abundante no primeiro, e pode dar uma boa resistência a quem anda com problemas do tipo.

Segundo um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, foi constatado que, nas quantidades corretas, é possível prevenir uma série de doenças ósseas, como a osteoporose, por exemplo. Só que não pode ser qualquer tipo de cerveja, caso o pessoal mais animado dos rótulos variados tenha se empolgado com a ideia.

A mesma pesquisa mostrou que as cervejas com maior quantidade de silício, a ponto de proteger os ossos dessa maneira, são as que seguem as receitas clássicas, com lúpulo e cevada. Para quem gosta daqueles rótulos inspirados no antigo código alemão de fabricação das cervejas, vai adorar o investimento.

As cervejas escuras, assim como as aquelas que levam milho e trigo, não tem uma quantidade do elemento ósseo tão bem concentrada, o que não incentiva o seu consumo de forma satisfatória. Então, se você deseja fortalecer os ossos como um dos benefícios da cerveja, evite as marcas populares, os modelos mais loucos do tipo Ale e Pale Ale, bem como as cervejas stout e porter. O ideal aqui são tanto os estilos mais clássicos, que valorizam os ingredientes originais.

11 – Ajuda a controlar as caspas

Quem diria que os benefícios da cerveja chegariam até o couro cabeludo! Não é a toa que algumas marcas independentes invistam no uso dos ingredientes da “loira” para compor alguns de seus shampoos. O responsável por esse efeito interessante para os que sofrem desse problema constantemente é o levedo de cerveja, que já vimos aqui em alguns outros bons benefícios.

Mas uma coisa que faltou para nós falarmos aqui é sobre o levedo em si. O levedo de cerveja é uma das bactérias que ajudam no processo de fermentação da bebida, e que costumam ser extraídas para fins farmacêuticos. Nesse formato, ela costuma vir em cápsulas tanto em farmácias como em drogarias.

Independente do consumo, o levedo da cerveja possui uma quantidade concentrada de Vitamina B2 e B6, ambas muito importantes para o cuidado dos cabelos, sobretudo no trato das caspas. Tem quem diga para passar a cerveja diretamente na cabeça, porém só pelo cheiro terrível que ficaria, não é mesmo uma boa ideia. Consuma na quantidade moderada como já passamos até aqui e vamos reforçar adiante, e tá tudo certo.

Uma boa alternativa para tal é justamente consumir, em quantidade recomendada pelo médico, o levedo de cerveja, ou procurar produtos para o cabelo que levam tanto o levedo como lúpulo em sua composição.

12 – Cerveja moderada faz bem a pele

Falamos até agora sobre os benefícios da levedura de cerveja, do lúpulo, e tudo mais, mas e a cevada? O que o ingrediente responsável por essa cor dourada da cerveja tem a oferecer em benefícios? Mais do que relaxar a mente e fortalecer outros órgãos importantes, ela ainda dá um toque especial a pele.

A cevada possui uma série de nutrientes muito importantes para os cuidados e renovação da pele como um todo. Só para você perceber, ela guarda as seguintes propriedades que se mantém mesmo depois de transformada em cerveja:

  • selênio;
  • vitamina B2;
  • vitamina B3;
  • fósforo;
  • zinco;
  • cobre.

Todos eles contribuem para o bem estar da sua pele. Para sermos mais específicos ainda, todos esses elementos contribuem para a hidratação da pele, bem como sua regeneração. Mas a cerveja não para por aí nesse ponto.

O lúpulo também possui esse papel de regenerar a pele. E mais do que isso, a protege de diversos efeitos nocivos graças a sua ação antibacteriana, antioxidante, antiviral e antisséptico. Inclusive estão produzindo sabonete de cerveja, só para ficar ciente em um bom investimento futuro na saúde. A cerveja no calor ganhou um novo significado, não é verdade?

13 – Combate infecções e reforça o sistema imunológico

Por fim, a cerveja pode atuar bem como um agente bactericida e como um leve reforço ao sistema imunológico. A descoberta aqui foi pela Universidade de Saúde e Ciência de Oregon, nos Estados Unidos, em que a cevada – mais uma vez ela – ajuda na proteção do organismo como um todo, além de combater uma série de infecções no organismo.

Uma outra pesquisa, esta feita pela universidade de Innsbruck, da Áustria, mostrou que é o extrato da cevada a responsável por essas propriedades terapêuticas ao organismo, auxiliando inclusive no tratamento de doenças crônicas. Mas cuidado, meu amigo: não exagere na dose, certo? Sobretudo se estiver com problemas de saúde: por mais que incentive o reforço imunológico, ela não serve como “tratamento”, beleza?

Consuma com moderação

É importante ressaltar que o consumo de cerveja com esses fins mais saudáveis deve ser moderado. O ideal é que seja entre 350 ml para as mulheres, e 700 ml para os homens. Mas no calor pode ser difícil – é parte da nossa cultura apreciá-la em grandes quantidades -, mas é importante não apenas para tirar bom proveito, como evitar uma série de riscos ao seu organismo também. Alcoolismo é apenas o mais superficial deles.

Os riscos de consumir cerveja em excesso

Um dos maiores riscos para quem consome cerveja em excesso é quanto aos efeitos no fígado. Devido a grande quantidade de glicose, vindo da fermentação dos ingredientes, o fígado não consegue produzir insulina o suficiente para controlar os níveis de açúcar no organismo, expondo-o a uma série de problemas mais graves.

Você já viu, ao longo dos benefícios de cerveja, alguns dos riscos que pode correr ao consumi-la em excesso. Mas para que entenda melhor essas questões, e tenha mais consciência ao sair para beber, vejamos alguns deles em detalhes. Leve os cuidados no consumo da cerveja com mais atenção, e a bebida será tranquila para você,

Risco de câncer no estômago

Quem exagera na cerveja pode ter um monte de problemas sérios no estômago, sendo a cirrose o mais conhecido deles. Mas para quem realmente quer brincar com a sorte, um dos riscos mais perigosos é o câncer de estômago.

O risco não é generalizado, mas existe uma parcela expressiva do público, sobretudo o masculino, que tem um risco acima da média de desenvolver câncer de estômago. E esse risco, além do álcool, está relacionado a genética. Uma variante de um gene bem preciso, o rs1230025, descoberta por cientistas espanhóis, aumenta as chances do tumor por si só, potencializado pelo consumo de cerveja exagerado.

Fere o Fígado

Se o estômago costuma ser um dos mais prejudicados pelo excesso de cerveja, o fígado está bem próximo nessa lista. E não é por acaso que, quando ele falha, todo o corpo começa a falhar aos poucos. Com a função de ajudar não apenas a filtrar o que o corpo recebe de nutrientes, como reforçar o sistema imunológico, os danos a ele são nocivos em todo o organismo.

Para quem exagera na cerveja, confira alguns dos problemas que podem ser acarretados ao fígado.

  • Cirrose no fígado – A formação de fibras dentro do órgão pouco a pouco anulam suas funções. Em estágio avançado, só é curada com transplante de fígado;
  • Esteatose Hepática – É o primeiro estágio da doença hepática alcoólica, em que as células ficam cheia de gordura, dificultando suas funções. Além de parar com a cerveja, é necessária toda uma reeducação alimentar para restabelecê-lo.
  • Hepatite Alcoólica – Perigosíssima, a hepatite incha o fígado e causa uma série de sintomas pesados, como diarreia, vômitos, e perda de apetite. Em casos mais graves, pode matar.

Já sabe o que fazer, certo?

Dificulta o processo de aprendizagem

Esse efeito costuma acontecer mais em que passou a beber no começo da vida adulta e não parou por nada. Nos casos em que menores bebem, isso é ainda mais frequente. Apesar da cerveja, quando consumida moderadamente, ajuda a combater o alzheimer e até incentiva a criatividade, seu excesso causa o efeito reverso deste último.

Inicialmente, o excesso de cerveja prejudica o sistema cognitivo, piorando o ciclo de aprendizagem, o que não contribui para processos mais analíticos, como já mencionamos antes. Se manter o exagero a longo do tempo, as áreas do cérebro responsáveis pelas memórias de curto e longo prazo são afetadas. O resultado é que, mesmo não desenvolvendo algo terrível como o alzheimer, você terá problemas com a memória ao longo da vida.

Potencializa as chances de gota e diabetes

Beber cerveja demais pode causar uma série de outros problemas além dos já mencionados, ou melhor dizendo, pode potencializá-los. Doenças causadas pelo excesso de glicose, como a diabetes, são comuns em quem bebe cerveja demais. Com o fígado ferido, a produção de insulina fica comprometida, o que potencializa as chances de desenvolver a doença.

A gota, por sua vez, é causada pelo acúmulo de ácido úrico nas articulações, e também pode ser potencializada pela cerveja. Não chega a ser de forma direta, já que o ácido úrico, causador da doença, está dentro da purina, substância em grande na cerveja e em vários alimentos. O que acontece é que, por conta do excesso, a quebra constante dessa substância, aumenta as chances não apenas de gota, como da artrite.

Reduz a expectativa de vida

Com todos os riscos mostrados, é natural que o excesso da cerveja reduza as expectativas de vida com todas essas doenças. Mas o buraco é mais embaixo, meu amigo. Mesmo que não desenvolva nenhuma das doenças mencionadas acima, o consumo em excesso pode prejudicar a funcionalidade dos órgãos como um todo, e isso sim diminuir o tempo de vida.

O risco de doenças cardiovasculares, o uso forçado de uma série de órgãos como rins, estômago e fígado, faz com que o consumo deva ser moderado não apenas pelos benefícios, mas para garantir a qualidade de vida por muito mais tempo.

Beba moderadamente, e todos os benefícios da cerveja serão bem aproveitados. E uma boa sugestão para quem usar a bebida para lidar com o calor é alternar com água, assim você se mantém refrescado e ainda pode aproveitar a cerveja por mais tempo. Não deixe de cuidar bem da saúde e garantir o seu bem-estar, e até a próxima!

2019-03-11T16:46:16-03:00

Sobre Nós

Acreditamos que todo homem mereça ter um momento de relaxamento e revitalização ao longo da semana. Por isso, criamos o SPA urbano para homens com ambiente estritamente familiar e tradições orientais.